Site Loader

Em todo o mundo, funcionários públicos estão pedindo às pessoas que contraíram ou foram expostas ao novo coronavírus que pratiquem medidas sociais de distanciamento, quarentena ou isolamento, em um esforço para diminuir a propagação da doença. Mas, passar dias ou semanas em casa com recursos limitados, estímulo e contato social, conforme pesquisas psicológicas, podem afetar a saúde mental, como exemplo: gerar medo e ansiedade, depressão e tédio, raiva, frustração, irritabilidade.

Felizmente, as pesquisas psicológicas indicam que existem maneiras de gerenciar essas condições difíceis. Estas abordam, que antes de executar o distanciamento social, quarentena ou isolamento, deve-se realizar um planejamento antecipado, considerando como você pode gastar seu tempo, com quem você pode entrar em contato para obter apoio psicossocial e como lidar com qualquer necessidade de saúde física ou mental que você ou sua família possam ter. Além disso, existem outras dicas que podem lhe ajudar nessas situações, que são:

1 – Limitar o consumo de notícias a fontes confiáveis
É importante obter informações precisas e oportunas sobre a saúde pública em relação ao COVID-19, mas muita exposição à cobertura da mídia sobre o vírus pode levar ao aumento de sentimentos de medo e ansiedade. Então, equilibrar o tempo gasto em notícias e mídias sociais com outras atividades não relacionadas à quarentena ou isolamento, como ler, ouvir música ou aprender um novo idioma. 

2 – Crie e siga uma rotina diária
Manter uma rotina diária pode ajudar adultos e crianças a preservar um senso de ordem e propósito em suas vidas, apesar do desconhecimento do isolamento e da quarentena. Tente incluir atividades diárias regulares, como trabalho, exercício ou aprendizado, mesmo que devam ser executadas remotamente. Integre outros passatempos saudáveis, conforme necessário.

3 – Fique virtualmente conectado com os outros
Suas interações cara a cara podem ser limitadas, mas os psicólogos sugerem o uso de telefonemas, mensagens de texto, bate-papo por vídeo e mídias sociais para acessar redes de suporte social. Se você estiver triste ou ansioso, use essas conversas como uma oportunidade para discutir sua experiência e emoções associadas. Entre em contato com aqueles que você conhece que estão em uma situação semelhante. Grupos do Facebook já foram formados para facilitar a comunicação e o apoio entre indivíduos solicitados a colocar em quarentena.

Contar com animais de estimação para apoio emocional é outra maneira de permanecer conectado. No entanto, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças recomendam restringir o contato com animais de estimação se você contratar o COVID-19 até que os riscos de transmissão entre humanos e animais sejam melhor compreendidos.

4 – Manter um estilo de vida saudável
Durma o suficiente, coma bem e faça exercícios em sua casa quando for fisicamente capaz de fazê-lo. Tente evitar o uso de álcool ou drogas como forma de lidar com o estresse do isolamento e da quarentena. Se necessário, considere as opções de psicoterapia on-line. Se você já tem um psicólogo, entre em contato com ele antes de uma quarentena em potencial para ver se eles podem continuar suas sessões usando entrega on-line ou por telefone.


5 – Use estratégias psicológicas para gerenciar o estresse e permanecer positivo
Examine suas preocupações e tente ser realista em sua avaliação da preocupação real, bem como em sua capacidade de lidar com isso. Tente não catastrofizar; concentre-se no que você pode fazer e aceite as coisas que não pode mudar. Uma maneira de fazer isso é manter um diário de gratidão. Você também pode optar por baixar aplicativos para smartphones que oferecem exercícios de atenção plena (Mindfulness), meditação e relaxamento. 
Focar nas razões altruístas de distanciamento social, quarentena ou isolamento também pode ajudar a mitigar o sofrimento psicológico. Lembre-se de que, ao tomar essas medidas, você reduz a possibilidade de transmitir o COVID-19 e protege os mais vulneráveis.

O que acontece depois?
Após um período de quarentena ou isolamento, você pode sentir emoções confusas, incluindo alívio e gratidão, frustração ou raiva em relação às pessoas que se preocupam com o fato de infectá-las com o vírus, ou mesmo sentimentos de crescimento pessoal e espiritualidade aumentada. Também é normal sentir-se ansioso, mas se você tiver sintomas de estresse extremo, como problemas contínuos para dormir, incapacidade de realizar rotinas diárias ou um aumento no uso de álcool ou drogas, procure ajuda de um profissional de saúde.

Fonte: American Psychology Association (APA). Keeping your distance to Stay Safe, 2020. 

Christine Bianchi – Psicóloga, Coach, Especialista em Carreira, Terapeuta EMDR.
(47) 9 9981-6269
https://www.cbianchi.com.br/

christinebianchi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *